13 de junho de 2012

Entrevista com James Green

James Green, da Brown University

José Paulo Cavalcanti, membro da Comissão da Verdade, se diz otimista quanto à remessa de documentos dos EUA que possam ajudar a esclarecer episódios ocorridos durante o regime militar. A Comissão reuniu-se recentemente com o historiador norte-americano, Peter Kornbluh, pesquisador do National Security Achive. Não há notícias quanto a contatos do grupo com o governo ou com o Arquivo Nacional daquele país.

Nesta breve entrevista, converso sobre o tema com James Green, historiador norte-americano, especialista em História do Brasil, professor da Brown University e autor, entre outros trabalhos, de Apesar de vocês: oposição à ditadura militar nos EUA, 1964-85 (Companhia das Letras, 2009). Green esclarece a diferença entre o National Security Archive e o National Archives and Records Administration (NARA), o Arquivo Nacional dos EUA e avalia as possibilidades de ajuda à Comissão da Verdade.


Carlos Fico - Muitas pessoas, no Brasil, confundem o NARA com o National Security Archive: você pode explicar do que se trata?

Jamens Green - NARA (National Archives and Records Administration - Arquivos Nacionais e Administração de Documentos) é uma entidade do governo federal encarregada de organizar e guardar documentos do governo federal, seus ministérios e outras entidades. Por exemplo, organiza os documentos do Departamento de Estado, que seria o Ministério das Relações Exteriores. O National Security Archive é uma organização não governamental independente fundada em 1985 por jornalistas e acadêmicos para acompanhar os procedimentos de desclassificação de documentos com o objetivo de liberar documentos que eles consideram importantes para revelar algum aspecto da história das relações exteriores dos Estados Unidos ou de questões nacionais.

Carlos Fico - Você acha que o NARA poderia colaborar com a Comissão da Verdade? E o NSA?

Jamens Green - Acho totalmente possível que a administração Obama colabore com a Comissão da Verdade brasileira através do NARA  como medida oficial do governo norte-americano. O National Security Archive, como ONG independente, tem o direito  de pedir ao governo federal norte-americano a liberação de documentos que não foram divulgados até agora. A administração Obama também poderia autorizar a aceleração dos procedimentos para avaliar os documentos do governo Carter (1977-1981), já que documentos de segurança nacional poderiam ser liberados depois de trinta anos se não contiverem informação que possa afetar a segurança nacional hoje em dia.

Carlos Fico - Existem, também, as bibliotecas presidenciais: os arquivos do Carter Center poderiam ser úteis por causa da questão dos direitos humanos, mas ainda não foram transferidos para o NARA: o próprio Carter, que está vivo, poderia ser consultado para liberar algo?

Jamens Green - Os documentos oficias do governo federal que estão nas bibliotecas presidenciais são sujeitos às mesmas leis do Arquivo Nacional em Washington e são administrados pelo NARA, apesar de estarem localizados em distintas cidades. Carter poderia pedir ao governo Obama para acelerar a revisão dos documentos que estão fechados durante trinta anos, por serem considerados top secret, para liberá-los mais rapidamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário